12

Illuminati University - Universidade Illuminati Part 1


Illuminati University — A descrição da carta diz: 

Aonde você vai para aprender coisas que você não poderia saber? O bom e velho IOU!
     Você precisa pagar "Propinas", até quando estiver controlando o IOU. No final de cada turno, você deve descartar  uma carta "enredo" ou do tipo Grupo da sua mão ou do topo do deck, ou descartar a IOU e retornar os fantoches para sua mão. Mas a IOU e seu mestre , e seus fantoches, estão completamente imunes a qualquer desastre e grupos governamentais. 

E não pergunte o que o "O" significa.




Hoje, apresentaremos mais sobre o mundo illuminati, então sente e acompanhe que a Aula já vai começar.


 
De onde surgiu o termo e qual sua origem.

Adam Weishaupt
O termo “Illuminati” ficou famoso após a inauguração da loja de estudos fundada pelos professores Adam Weishaupt e Adolph Von Knigge em 1º de Maio de 1776, porém a origem do termo pode ser muito mais antiga e também por sua vez mais simples do que possa parecer. Illuminati deriva de  “Iluminados”,  um estudioso ou até mesmo um sacerdote que conseguiu determinada posição dentro do Templo que permitiu a ele dispor de segredos iniciáticos até então desconhecidos aos graus inferiores.

É possivel que o termo tenha vindo da correlação com o SOL. O centro do Templo, o "Deus de nossos próprios corações" . Simbolicamente denominado Tiferet, na Kabbalah; o grau de consciência no qual todos os quatro elementos estão dominados e o Adepto prossegue para a Câmara do Meio.

O grau denominado Illuminatus é um dos mais altos graus de diversas Ordens Esotéricas,  mas isso é tudo o que Illuminatus significa: alguém que aprendeu os conhecimentos de grau daquela Ordem, nada mais. Então podemos colocar o nome "Illuminatus" como uma conquista a um patamar mais elevado.

Achar que os “Illuminati” estão todos operando juntos para a dominação do mundo é tão ingênuo quanto achar que todos os maçons do mundo são málignos e estão juntos lado compartilhando ensinamentos satânicos. Não que isso não seja uma verdade, mas generalizar por completo é realmente uma completa idiotice.


Segunda Versão



Ilustração de Hassan Isabbah
 A maioria de sites , revistas e livros sobre illuminatis dizem que a ordem foi fundada em 1776 por Adam weishaupt, no entanto, no livro "O livro dos Illuminati" de Robert Wilson ele diz que a Ordem fundou-se em 1090 por Hassan Isabbah.


Talvez nunca poderemos ter certeza, pois a origem desta controversa seita é muito antiga e as informações nem sempre coincidem.

Os líderes da Revolução francesa eram Maçons e Illuminati, ou os agentes deles e seguidores, levando a cabo um plano secreto para subverter as monarquias de Europa e a religião Cristã. Teriam aberto  lojas na Alemanha, Áustria, Itália, Hungria, França e Suíça. Illuminati, Maçonaria e ainda outras seitas são tentáculos do mesmo monstro. Atualmente essa ordem está espalhada por todo o mundo, muitos membros dos governos são membros, assim como são da maçonaria.




A Estrutura dos Illuminati

A maioria dos graus ligados à Rosacruz ou aos gnósticos trabalha com graus baseados nas Emanações da Árvore da Vida. Esta estrutura foi desenvolvida inicialmente nos Templos de Toth/Hermes, mas contava apenas com sete graus, baseados nos Planetas Alquímicos (Lunae, Mercure, Veneris, Martis, Jovis, Saturni e Solis), sendo Solis o mais avançado. Cada grau possuía um Kamea (Quadrado Mágico) correspondente. Mais tarde os Pitagóricos finalizariam a estrutura para conter 10 esferas numeradas, como conhecemos hoje em dia.
Da relação do Sol com a iluminação tanto exotérica quanto esotérica, chamavam-se estes Mestres de “Mestres Iluminados”. O número 666 era atribuído a estes Mestres.


 Dois lados da moeda




A biblia nos diz:  "Aqui é preciso discernimento! Quem é inteligente calcule o número da Besta, pois é um número de homem: seu número é 666!" (Ap 13,18).

 

Primeiro comentário:

      Sobre Apocalipse 13.18, veja o seguinte comentário: "No Apocalipse, o Anticristo tem um nome: "a besta", mas ele também tem um número: 666. Muitos comentaristas estão de acordo que, nas Escrituras, "seis" é o número do homem e "três" é o número de Deus. Sendo assim, três vezes seis DEVE referir-se a um homem que se apresenta como se fosse Deus. Assim como os imperadores romanos e muitos outros, antes e depois deles, o anticristo julga-se um deus" (Bíblia de Estudo Pentecostal).

Segundo comentário:

       "Este versículo é um criptograma tipicamente apocalíptico. Seiscentos e sessenta e seis é um número triangular, mas a maioria dos leitores antigos não sabia disso. Achou-se que fosse uma paródia do número divino, sete; isso é possível, mas os eruditos se voltam com mais freqüência para outra explicação. Contar um nome ou palavra era uma prática fácil em grego e hebraico, que usavam letras como números específicos (mais tarde mestres judaicos passaram a jogar freqüentemente com os valores numéricos das palavras; essa forma de cálculo passou a ser conhecida como gematria). Muitas sugestões engenhosas têm sido feitas em torno do significado de "666". Irineu, erudito cristão do segundo século, listou entre as possibilidades "Lateiros" (Roma como o Reino final). Embora seu nome venha a dar no número 1.005 em grego (o que teria sido óbvio, porque um jogo de palavras conhecido, baseado na numerologia do seu nome, circulara em todos os grafitos do Império), seu número resulta no número "666" se transliterado para o hebraico. Se o que João pretende aqui é uma alusão a Nero, esperam que seus leitores saibam recorrer às letras do hebraico (provavelmente com a ajuda de membros mais habilitados da congregação), ou ele e os demais já haviam usado o número "666" desta maneira (esse cálculo requer que se use a pronúncia grega Neron-Kaisar em alfabeto hebraico, com valores numéricos apropriados N = 50, r = 200, n = 6, K = 100, s = 60, s = 200. O hebraico só usava consoantes. Mas os oráculos "Sibilinos", documento composto em grego, faz a sua gematria nessa língua, e não no hebraico; a maioria de seus leitores só teria condições de ler o primeiro, sendo incapaz até mesmo de transliterar um nome em caracteres hebraicos apropriados. Eruditos judeus que utilizavam o hebraico incorporaram muitas palavras tomadas de empréstimo ao grego, mas os leitores de João precisariam ou de alguma ajuda ou de conhecimento prévio para discernir a intenção dele) (Comentário Bíblico Atos - Novo Testamento, Craig S. Keener).


Terceiro comentário:

       "A marca da besta reproduziu ou o seu nome, ou o número formado, juntando os valores numéricos representados pelas letras do seu nome (em grego e hebraico não existem nomes numerais separados; as letras do alfabeto têm que servir também a esta finalidade). Seiscentos e sessenta e seis é o número. As soluções deste ENIGMA quase alcançam esse número. Gunkel e muitos outros insistem em que ele não representa o nome de um indivíduo; a frase "é o número de um homem" (Ap 13.18), significa simplesmente "é uma computação humana", em distinção de um cálculo sobrenatural. Tais intérpretes frequentemente consideram o número como símbolo de ficar constantemente aquém da perfeição por parte do anticristo, posto que cada algarismo é um menos que sete; indica-se que os Oráculos Sibilinos (1:328) dizem que o número do nome de Jesus Cristo é 888, um além da perfeição. O próprio Gunkel não aceita esta sugestão, mas acha que o número serve para identificar o Imperador Romano com o monstro do caos, de que o retrato do dragão e da besta é tirado neste livro ( em hebraico dá 666). A idéia tem sido indevidamente reduzida ao mínimo no terreno em que os leitores de João mal podiam ter encontrado uma tal remota solução, posto que eles conheciam só o grego. Por conseguinte, o exegeta hodierno favorece antes a solução , escrito defeituosamente em hebraico. Mas, se aquele seria ininteligível ao povo que fala grego, de igual modo seria este, se bem que , transcrito em hebraico de uma grafia latina, dê o número alternativo 616, que se encontra em alguns manuscritos. A sugestão de clemente - , escrito em grego, é atraente;não só dá p 666,que se requer, mas dá o alternativo 616. Estranho como pareça, não é impossível que todas as soluções acima estejam certas. É provável que, desde que João usou uma fonte hebraica neste capítulo, o número original foi hebraico, e o número não foi inventado por ele. Como ele conhecia o mito do caos, e era um hebreu, o nome Tehom Qadmonah, , não lhe seria impróprio. Outrossim, é sugerido em nossa interpretação de 17.8, 11 que o profeta fundiu os mitos do monstro do caos e Nero Redivivus, para formar o seu retrato do anticristo; os adversários da Igreja encarnaram tão perfeitamente o poder antigo do mal, que ambos poderiam ser descritos sob o mesmo sumário histórico, isto é, já foram e não são, e estão para subir do abismo e ir para a perdição. Um número, portanto, que denotasse esse princípio mau, tão bem como o império e o indivíduo em que ele deva ser encarnado, era mais do que o coração podia desejar, uma perfeita representação de bruxaria ou arte diabólica" (O Novo Comentário da Bíblia, volume II, Edições Vida Nova, 1990, p. 1470).

Quarto comentário:

       "Em grego e em hebraico cada letra tinha um valor numérico segundo o lugar no alfabeto. O número de um nome é o total de suas letras. Aqui "666" seria César-Neron (em letras hebraicas); "616", César-deus (em letras gregas)" (A Bíblia de Jerusalém).




 E agora, por uma outra visão




666? Mas não é o número do capeta?
 
Não… a origem do 666 é muito mais simples e prosaica; vem dos Kameas de cada um dos sete graus iniciáticos das Escolas de Toth.
Um Kamea é um “quadrado mágico” contendo os números e nomes (da conversão numérica para o alfabeto hebraico) divinos que servem como janelas para entender a natureza do ser humano e como ela interage com o macrocosmos.
Um kamea é representado como um quadrado contendo divisões internas, de acordo com a sefira da Kabbalah que aquele planeta representa: Então o Kamea de Saturno/Binah é um quadrado dividido em 3×3, o de Júpiter/Chesed 4×4, o de Marte/Geburah 5×5, o do Sol/Tiferet 6×6, o de Vênus/Netzach 7×7, o de Mercúrio/Hod 8×8 e o da Lua/Yesod 9×9.
Cada Kamea possui em seu interior os números de 1 até o quadrado da Sefira, dispostos de maneira que a SOMA de todas as linhas e colunas seja sempre o mesmo número.
Assim sendo, o Kamea de Saturno possui números de 1 a 9 (e cada linha/coluna soma 15 – ver na imagem ao lado), o de Júpiter de 1 a 16 (e cada linha/coluna soma 34), o de Marte de 1 a 25 (e cada linha/coluna soma 65), o do Sol de 1 a 36 (e cada linha/coluna soma 111), o de Vênus de 1 a 49 (e cada linha/coluna soma 175), o de Mercúrio de 1 a 64 (e cada linha/coluna soma 260) e o da Lua de 1 a 81 (e cada linha/coluna soma 369).



Além disto, cada Planeta está associado diretamente a um número sagrado, que é a somatória de todos os valores dentro do Kamea. Assim sendo, o número associado de Saturno/Binah é 45 (1+2+3+4+5+6+7+8+9), Júpiter/Chesed é 136, Marte/Geburah é 325, Vênus/Netzach é 1225, Mercúrio/Hod é 2080 e a Lua/Yesod é 3321.
E o Sol?
Se somarmos os números do Kamea do SOL, teremos 1+2+3+4…+34+35+36… adivinhem que número resulta desta soma? Isso mesmo… pode fazer as contas na sua calculadora, eu espero.
Calculou?
Exato. 666.
Tiferet representa o ser Crístico que habita dentro de todos nós. Dentro da Kabbalah, representa todos os deuses iluminados e solares:Apolo, Hórus, Bram, Lugh, Yeshua, Krishna, Buda, todos os Boddisatwas, todos os Mestres Ascencionados, todos os Serenões, todos os Mentores, todos os Pretos-velhos e assim por diante. Escolha uma religião ou filosofia e temos um exemplo máximo a ser atingido.
Tiferet representa a união do macrocosmos com o microcosmos, o momento onde o homem derrota o dragão simbólico (que representa os quatro elementos) e se torna um iluminado e, como tal, senhor de seu próprio destino. Tiferet é o mais alto grau de consciência que um encarnado pode atingir.

Desta maneira, quando se tornar um iluminado e senhor de seu próprio destino, o homem não vai mais se submeter aos mandos e desmandos de nenhuma religião dogmática… muito menos pagar DÍZIMO para ela… estão começando a entender da onde vem a associação da Igreja entre o 666, os “Iluminados” e o “anticristo” católico/evangélico?
Duvida? Aqui temos o exemplo de Washington, onde os arquitetos maçons projetaram a estrutura da Árvore da Vida dentro de um triângulo nas ruas da cidade… eu tomei a liberdade de pintar de vermelho a única parte que os evangélicos divulgam, “esquecendo” convenientemente o resto do projeto para “provar” suas teorias malucas de Illuminati…





Mas em qual das partes acreditar?


Em primeiro lugar, é fundamental ter a infromação em suas mãos, posteriormente a isso devemos estuda-lá e por fim ter o direito da escolha, essa deveria ser a atitude de todos. A nossa intenção é prezar pela informação, não julgando se você é católico, se é evangélico, ou se é satânico, maçon, espirita ou qualquer outra manifestação religiosa. Entenda que a informação é essencial para o corpo e espirito.



Como o assunto é muito extenso, resolvemos adicionar duas partes. Na próxima, falaremos mais sobre sua origem e sua atuação nos tempos atuais. Fiquem ligados!

12 comentários:

  1. Bem interessante seu post, não sabia disso dos Kameas.

    ResponderExcluir
  2. Uma pessoa descobre cada coisa aqui! :)

    ResponderExcluir
  3. Post perfeito pra quem conhecia apenas "uma visão" (ou nenhuma) dos Illuminati.
    Pessoalmente acredito mais na visão de Del Debbio que nessas outras (incluindo Estudos Gospel).

    E já tô aqui esperando a parte 2 desse tema =D

    ResponderExcluir
  4. agora tenho uma uma visao mais aprofundada dos illuminati :)

    ResponderExcluir
  5. hahaha! esse post praticamente ensina TUDO sbre os iluminatti!

    +1 pro teu post!

    ResponderExcluir
  6. Achei interessante, nem sabia que os illuminati andassem por aí,,,,Ficaremos à espera da 2ª parte.

    ResponderExcluir
  7. Neo is the splendid kitten; The Illuminati retreated from Cyberworld. Fnord.

    ResponderExcluir